Ela


Ela


Por Tânia Souza 

Ela estava em meus braços, o mais lógico dos seres também não teria resistido a leveza diáfana de sua presença. Meus olhos outrora nublados em lágrimas contemplaram embevecidos a beleza que tanto me torturara. Ah, saudade insana, cruel, desesperadora.

Coração acelerado em suspiros, garganta em febre, meu rosto lentamente aproximou-se daquela beleza em mármore. Sua boca, um botão translúcido. Sim, beijei-lhe a boca descorada. O gélido destino selou-se naquele instante de loucura e dor. Que me importava a meia-noite, o silêncio, e os olhos congelados das esculturas que me espiavam na penumbra de um cemitério secular?

Profanei aquele que deveria ter sido o seu último lar. Suas vestes imaculadas, os cílios longos na face lânguida. E lhe roubei a tempo dos vermes e seres infectos que ousariam profanar seu corpo sacro.

Minha? Não, nunca o fora, nunca seria.

Senti minhas forças deixando-me quando o sopro que me animava era lentamente absorvidos pelos lábios que tanto amei. E eu apenas dormiria meu sono eterno naquele leito que por pouco tempo fora o dela.

Quase inerte no sono da morte, vislumbrei seu renascer.

Depois, anjo insano sorrindo-me ainda em nubladas fantasias, partiu na noite sombria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário